How to tell our kids

|Como contar aos nossos filhos|

Por estes dias ouvimos falar que um certo chefe de Escuteiros, que era alegadamente um pedófilo. Suicidou-se, depois de ter sido detido por pornografia infantil na internet e ter cometido abuso sexual de menores.  Mais uma vez vem a público, que um predador sexual tenha tido livre acesso a crianças ao qual os pais confiaram acima de qualquer tipo de suspeita. Sem raras excepções, vem nos media que um padre, um professor ou professora  (isto porque há mulheres abusadora/predadoras também e convém não esquecer), um educador e agora um chefe dos Escuteiros  que usa da sua posição para poder ter acesso sem restrição a crianças. 


Mas como é que nós, enquanto pais, podemos proteger as nossas crianças? É sabido, que os abusos a crianças não está restringido ao género, a nenhuma faixa etária, a aparência física e muito menos a estrato social. Não é a crise que dita acções desviantes de carácter e/ou criminais e infelizmente segundo vários estudos acontece no próprio seio familiar. 

Nós não podemos colocar os nosso filhos numa redoma, e muito menos investigar e ou interrogar exaustivamente todas as pessoas que interagem com os nossos filhos para descobrir se fulano ou Sicrano são potenciais predadores sexuais! Também não podemos desconfiar do mundo, e não permitir que os nosso filhos vivam e interajam com o mundo criando as suas próprias memórias de vida. 

Por este motivo, eu decidi quando Ela fez os seus 2 anos de idade começar a falar com sobre o seu corpo como algo privado, sobre o que é certo ou errado, sobre tipos de brincadeiras e do que o que não está certo 'brincar' ou com quem. Desde sempre lhe falei, de forma muito suave claro, que em caso de acontecer algo Ela poderia falar comigo! Que a culpa nunca seria dela, mas o mais importante que Ela teria e poderia dizer que dizer NÃO! Essa é a sua arma e espero que nunca tenha que usar e enquanto escrevo isto o medo está em mim, mas é uma arma que leva para a vida. O corpo é seu, e não é não!

Obviamente tendo em atenção à sua idade, as conversas que tenho tido alertam que o tal 'papão' de que falei no titulo deste post, pode estar em todo o lado e que pode parecer de diferentes formas. As conversas têm evoluído e são relembradas quando necessário, e como o tenho feito com cuidado não é algo que a impeça de viver a vida, nem que crie medos! Não de todo, apenas a 'armo' com informação para que saiba como se defender. Mas mesmo isto não chapa 3! Mas é algo...

Já sei que devem estar a perguntar, não estarei eu a criar medos onde não devem existir? Se colocarmos a cabeça na areia, aí nunca saberemos nada nem precisaremos nunca de agir. Aliás foi assim ao longo dos tempos, crianças abusadas não sabiam como se defender nem os pais ou a sociedade como lidar com estes crimes. 

A quantidade de predadores sexuais que vivem à nossa volta é alarmante. Basta ver os números dos relatórios internacionais de organizações como a Terre Des Hommes, que demonstram que não só 'eles' estão em todo o lado como podem ser MESMO qualquer pessoa. Alarmante? Assustador? De facto é, mas não é necessário começarmos a correr as voltas em prantos. Há que viver, mas se falamos aos nossos filhos e nós próprios ouvimos em criança para não falar com estranhos, nem comer os ditos doces, porque não sermos mais francos com eles e contar-lhes a verdade? Não é esta geração de facto mais perspicaz de qualquer forma? Não passam imenso tempo na internet, onde o perigo espreita a cada página? Nao são eles que nos ensinam como usar o iphone sem nunca terem sido ensinados? Não são eles que daçam ao som de músicas pop super a moda, mas que traduzindo são autênticas letras de soft porn? Já para não falar nos video clips? (Ainda se diz video clip??! Soa a anos 80...!)

No Reino Unido e nos Estados Unidos e até na India já há organizações que produzem vídeos que podem ajudar os pais a iniciar este tipo de conversa, que talvez seja a mais difícil que alguma vez terá com os seus filhos. Para mim foi. 

O vídeo #HowToTellYourChildren é para mim uma boa forma de iniciar o tema, mas falha por não falar que o corpo de cada um é propriedade privada e que NINGUÉM pode abusar. Nem que os tais grupos de segurança não são necessariamente seguros se não souberem identificar situações de risco,  mesmo vindo de uma pessoa que deveria ser quem os defende. Como é o caso de um qualquer 'chefe de escuteiros' da vida que teria acesso ao núcleo de segurança indicado pelos pais


Este filme Indiano, mas em Inglês, é mais completo se bem que para crianças mais crescidas. Penas que ambos só existam em Inglês.


Sónia Pereira de Figueiredo

Sónia is the founder and writer of Amniotico- Parenting, Travel and Tales. She began this blog in 2005 with two posts about parenting, the year she had daughter Francisca. Then life happened. Now since 2014 with a whole new focus on Parenting and Travel. Sonia is also an international Human Rights and Elections expert and as such has worked with the United Nations and European Union in many parts of the globe, including conflict and war torn countries while being a single mom!

No comments:

Post a Comment