Single parents deserve a better treatment, but how?




Single parents deserve a better title, but which one?

We all catalog people or situations in our lives, be the kind of people we know and we get on a daily basis, as friends and family. There are the friends and then the acquaintances, there are cool people and boring people, the ones we smile at but we pray all the saints do not find them the next trip to the supermarket or when we get our children to school. We catalog love relationships between those that we would like to repeat once they are finished or 'love is in the air' to disgust everyone else around them and to meet singles at the time, and then there are the others' where I had The head 'and still the relation' creed Our Lady of Fatima ', I think they perceive where I want to arrive.

Then we have, and here is what I want to get, cataloging the kind of family that even today is something important and if we do not catalog we get the feeling that we do not understand or accept it. When I was a kid, there was the nuclear family, but who had the brilliant idea of ​​giving it that name? (I know it has to be with core bla bla bla). But the bomb sounds more to me! Bomb: You have to have a father, then a mother, then one or two siblings and with luck and just like in the drawings of the primary school books of the time, there were still two pairs of grandparents with late nineteenth century air because the grandfathers were Always bald and grandmothers always had a ball of wool with needles stuck in their hair (do not ask me!).

As we grew up, we were seeing more and more people getting divorced, separated, some not even married 'just together' (a group that has grown more and more), but the families of single mothers with their offspring ? Well those were nonexistent, really. For me with divorced grandparents, a super independent grandmother, it was a reality, but it was only when I became a mother myself that I began to think about this reality in a different way.

Now we are single parent families! But this annoys me a lot, because when I hear the same-sex families are called Rainbow families or Rainbow Families I have a difficult envy to control. Otherwise, we have the 'nuclear' family that no longer 'bomb' as much as it used to, then we have the families of the heart (another one that gives me elbow pain), then we have numerous families, which are well ... numerous! What about us? Single Parent Families? Single mothers and country with dependent children? Yes, because single mothers who do not have children with them are ... denatured mothers? And the single parents who have the children in charge of the mother are what? Parents, just parents. Not wanting to get too much into the discussion about gender, the truth is that single-parent families are looked at today with some compassion, 'it must be hard!', Followed by the expression of down-turned lips and eyes of dead fish. It's true, I am not exaggerating even though there has been evolution and not wanting to say that it is easy, not at all, of course it is not for some of us the role of both parents is only on a pair of shoulders and everything is right. But this compassion that is still seen today by the single mother or the single parent, albeit in different ways, does not help in any way to the independence and affirmation of these parents.

A single father is a poor, because the 'gaja' wanted nothing to do with the child is a denatured mother and he poor 'had' to stay with the children. What is not latent here in this kind of attitudes and assertions is that today, although roles have changed dramatically, the truth is that society as a whole has not yet assimilated what it implies. Women have gained more importance in the labor market, although they are still struggling for pay equity. On the other hand, man has gained in his personality a more family-oriented side and the home in general, and still good. However, these changes do not change in any way as we still see single mothers in particular, and are still largely rejected, poor ones, etc.

As soon as I got pregnant I immediately assumed this 'good' role, perhaps because there was within me and there is little room for prejudice in relation to the other in general, and single mothers for me are simply independent mothers, unmarried or not dependent on the phase. However, I actually had a romantic image of this new role, calling it a chic hippie 'independent reproduction' when it was really simple, Single Mother. But soon I realized that this was not how most people would see me, even the most traveled, even the most educated, even the other single mothers.


One of the first hits came from a secretary of a diplomat of whom I am a friend, who after congratulating me said 'I also have a sister who is a single mother ... the kid walks in a psychologist!' The conversation after that continued to be depressed below, but I Go ahead. This after the Ambassador himself asked me 'what good news my dear Sonia! And who planted in this beautiful Garden? ', To be And so it was that he asked me how Arab it is and for those who know Arabic poetry, I did not take it bad but it would give an excellent verse of pimba music, do not you think? Better than the Sopeira, who has a son of whom no one does not know who the father is, for this same song that represents society as well, Sopeiras! "" That's what it means! Along with my parents announced the pregnancy the family part also stated after a long silence 'The children of single mothers are raised anyway!'. Seriously? Did you say this, someone with a wedding there from Baghdad? Not wanting to get into the details, but the worst claims have always come from people with marriages or broken relationships, alcoholism, children with serious problems of inattention and sometimes love due to too much attention from parents in 'holding' something that never worked, being The children in the middle of a war that is not theirs. But there is also pure ignorance, as I noticed in two situations with co-workers, people traveled and trained but apparently with unprocessed 'baggage'. A colleague and I went to lunch at a chic Lisbon restaurant, after a work trip we both made to Ethiopia, we were talking about work, family relationships etc and I said 'how I am a single mother' was trying to explain the challenges that It's for me to take on missions and deny others with more risk when you turn to me very quickly 'Speak lower, because you can listen and then what will you think ?!' to which I replied 'You will think I am ... single mother! In Portugal I'm not stoned rests! 'And no, I was not talking to Afghan or Yemeni friends, no, it was even Portuguese! Or a colleague of mine I had to insist that I was and I'm happy 'seriously I'm fine, I'm happy', to which he replied 'impossible you're single and you're a mother!' In this case it was Italian and maybe that explains. The truth is that the narrative around unmarried mothers is always the same, of some admiration because we 'carry a great burden' alone, and therefore we deserve the compassion of others. Yes, it is not always easy, especially in the case of 'purists' like myself, and we immediately take on this wonderful project alone where there are no two wages, two opinions, two solutions of problems that arise among other challenges. But there are also no dilemmas, not wanting to advocate that this type of life is because it is because I believe in diversity, but the truth is that if there is synonymous what result that has had in the education of my life is' a very balanced, Concerning the other and the difference ', all because there are no wars between parents or similar dilemmas here. In this scenario, the worst enemies of these mothers are in fact the single mothers who put themselves in the victim's place almost always. If you think that my path has been easy, you are mistaken, and I do not speak from the top of a perfect castle. Far from it, but I do believe that when we put ourselves in the position of victim dependent on the benevolence or common sense of parents, or mothers, we create children who will always believe that because they were raised by single mothers they were missing something, they are victims. No, they're not. Only if you allow it, in this case placing the child in the first place does not mean buying the best shoes on the market while the mother saves on what she buys for herself, it means rather raising our children with love, of course, but mainly strengthening the His personality with strength and character in diversity and life respecting the other and knowing that there is neither perfection nor the ideal, even because today society is a rainbow society! My daughter has a father who loves even in the distance and Which I encourage to respect and to love, even when I feel like I never speak ill of my daughter or anyone because I can not conceive of hurting her to reach an adult even because, even though she's craving for so many reasons, she gave me the best gift someone I could have given her, Alas! Now, what names would give to single-parent families? Independent families? Suggestions?



|Pais solteiros merecem um titulo melhor, mas qual?|

Todos catalogamos pessoas ou situações na nossa vida, seja o tipo de pessoas que conhecemos e nos damos no dia-a-dia, como amigos e família. Há os amigos e depois os conhecidos, há gente porreira e gente chata, aqueles a que sorrimos mas rezamos a todos os santos não os reencontrar na próxima ida ao supermercado ou quando vamos buscar os nossos filhos à escola. Catalogamos relações amorosas entre aquelas que gostaríamos que se repetissem uma vez terminadas ou as ‘love is in the air’ para nojo de todos os outros á sua volta e que se encontram solteiros na altura, e depois há as outras ‘onde é que eu tinha a cabeça’ e ainda a relação ‘credo Nossa Senhora de Fátima’, acho que percebem onde quero chegar.

Depois temos, e é aqui que quero chegar, o catalogar do tipo de família que mesmo nos dias de hoje é algo importante e que se não catalogarmos ficamos com a sensação de que a não compreendemos ou aceitamos. Quando era miúda havia a família nuclear, ora quem teve a brilhante ideia de lhe dar este nome? (eu sei que tem haver com núcleo bla bla bla). Mas a mim soa-me mais a bomba! Bomba: tens que ter um pai, depois uma mãe, depois um ou dois irmãos e com sorte e tal como nos desenhos dos livros da escola primária da altura, havia ainda também dois pares de avós com ar fim do século dezanove porque os avôs eram sempre carecas e as avós tinham sempre um novelo de lã com agulhas espetadas no cabelo (não me perguntem!).

Conforme fomos crescendo, fomos vendo pessoas cada vez mais a divorciarem-se, a separarem-se, umas nem sequer eram casadas ‘apenas juntas’ (grupo que cada vez tem crescido mais), mas e as famílias de mães solteiras com a sua prole? Bem essas eram não existentes, mesmo. Para mim com avós divorciados, uma avó super independente, era uma realidade, mas só quando eu própria me tornei mãe é que comecei a pensar nesta realidade de outra forma.

Agora somos famílias mono-parentais! Mas isto irrita-me imenso, porque quando ouço as famílias do mesmo sexo serem chamadas de famílias Arco-Iris ou Rainbow Families fico com uma inveja difícil de controlar. Senão vejamos, temos a família ‘nuclear’ que já não ‘bomba’ tanto como antigamente, depois temos as famílias do coração (outra que me dá dores de cotovelo), depois temos as famílias numerosas, que são bem…numerosas! E nós? As famílias de pais solteiros? Mães e país solteiros com filhos a seu cargo? Sim, porque as mães solteiras que não têm os filhos consigo, são…mães desnaturadas? E os pais solteiros que têm os filhos a cargo da mãe são o quê? Pais, só pais. Não querendo entrar muito pela discussão sobre género, a verdade é que as famílias mono-parentais são olhadas hoje com alguma compaixão ‘força, deve ser duro!’ seguido daquela expressão de lábios virados para baixo e olhos de peixe mal morto. É verdade, não estou a exagerar mesmo tendo havido evolução e não querendo dizer que é fácil, não de todo, claro que não é para alguns de nós o papel dos dois pais está somente num par de ombros e está tudo certo. Mas esta compaixão que ainda hoje se vê pela mãe solteira ou pelo pai solteiro, embora de formas diferentes, não ajuda em nada à independência e afirmação destes pais.

Um pai solteiro é um coitado, porque a ‘gaja’ não quis ter nada a ver com a criança é uma mãe desnaturada e ele coitado ‘teve’ que ficar com as crianças. O que não está aqui latente neste tipo de atitudes e afirmações é que hoje apesar de os papéis terem-se alterado de forma drástica, a verdade é que a sociedade em geral ainda não assimilou o que isso implica. A mulher ganhou maior importância no mercado de trabalho, embora ainda esteja a lutar por equidade de salário. Por outro lado, o homem ganhou na sua personalidade um lado mais virado para a família e para o lar em geral, e ainda bem. Contudo, estas mudanças não alteram em nada como ainda vemos as mães solteiras em particular, sendo ainda são em grande parte as rejeitadas, as coitadas etc.
Assim que engravidei assumi de imediato esse papel ‘na boa’,  talvez porque dentro de mim havia e há pouco espaço para preconceito em relação ao outro em geral, e as mães solteiras para mim são simplesmente mães independentes, solteira ou não depende da fase. No entanto, tinha na verdade também uma imagem romântica deste meu novo papel chamando-o de uma forma hippie chic de ‘reprodução independente’ quando era mesmo Mãe Solteira, simples. Mas logo logo percebi que não era assim que a maior parte das pessoas me iriam ver, mesmo as mais viajadas, mesmo as com mais educação, mesmo as outras mães solteiras.

Um dos primeiros impactos veio de uma secretária de um diplomata de quem sou amiga, que depois de me dar os parabéns me disse ’também tenho uma irmã mãe solteira…o miúdo anda num psicólogo!’ a conversa depois daí continuou deprimência abaixo, mas eu segui em frente. Isto depois de o próprio Embaixador me ter perguntado ‘que boas notícias minha querida Sónia! E quem plantou nesse lindo Jardim?’, a sério foi assim mesmo que me perguntou como é Árabe e para quem conhece poesia Árabe, não levei a mal mas daria um excelente verso de música pimba, não acham? Melhor do que a tal Sopeira que tem um filho de quem ninguém não sabe quem é o pai, pois essa canção mesmo que representa bem como a sociedade nos vê, Sopeiras!-Seja lá o que isto significa!

Uma tia minha num almoço em que junto com os meus pais anunciei a gravidez a parte da família também afirmou depois de um longo silêncio ‘Os filhos de mães solteiros são criados de qualquer maneira!’. A sério? Disse isto, alguém com um casamento para lá de Bagdad? Não querendo entrar em detalhes, mas as piores afirmações vieram sempre de pessoas com casamentos ou relacionamentos desfeitos, alcoolismo, filhos com problemas graves de falta de atenção e por vezes amor devido à atenção demasiada dos pais em ‘segurar’ algo que nunca funcionou, estando os filhos no meio de uma guerra que não é a deles. Mas também há a ignorância pura, como notei em duas situações com colegas de trabalho, pessoas viajadas e formadas mas pelo visto com ‘bagagem’ não processada. Uma colega e eu fomos almoçar a uma restaurante chic de Lisboa, depois de uma viagem de trabalho que ambas fizemos à Etiópia, estávamos a falar de trabalho, relacionamentos família etc e eu disse ‘como sou mãe solteira’ estava a tentar explicar os desafios que é para mim aceitar umas missões e negar outras com mais risco quando se virou para mim muito rapidamente ‘fala mais baixo, porque podem ouvir e depois o que vão pensar?!’ ao que eu respondi ‘vão pensar que sou…mãe solteira! Em Portugal não sou apedrejada descansa!’ e não, não estava a falar com amigas Afegãs ou Iemenitas, não, era mesmo Portuguesa! Ou um colega meu aquém eu tive que insistir que era e sou feliz  ‘a sério estou bem, sou feliz’, ao que ele respondeu ‘impossível estás solteira e és mãe!’ neste caso era Italiano e talvez isso explique. 

A verdade é que a narrativa à volta das mães solteiras é sempre a mesma, de alguma admiração porque sós ‘carregamos uma grande fardo’ e por isso merecemos a compaixão alheia. Sim, nem sempre é fácil, principalmente no caso das ‘puristas’ como eu e que desde logo assumimos este projecto maravilhoso sozinhas onde não há dois salários, duas opiniões, duas soluções de problemas que vão surgindo entre outros desafios. Mas também não há dilemas, não querendo advogar que este tipo de vida é que é até porque acredito na diversidade, mas a verdade é que se há sinónimo que resultado que tem tido na educação da minha vida é ‘uma criança muito equilibrada, responsável, respeitante do outro e da diferença’ tudo porque aqui não há guerras entre pais ou dilemas semelhantes.

Neste cenário, as piores inimigas destas mães são de facto as próprias mães solteiras que se colocam no lugar de vítima quase sempre. Se pensam que o meu caminho tem sido fácil, estão muito enganados, e não falo do alto de um castelo perfeito. Longe disso, mas acredito mesmo que quando nos colocamos na posição de vítima dependente da benevolência ou bom senso dos pais, ou mães, criamos crianças que vão sempre acreditar que por terem sido criados por mães solteiras lhes faltou algo, que são vitimas. Não, não são. Só o são se o permitirem, neste caso colocar a criança em primeiro lugar não significa comprar-lhe as melhores sapatilhas do mercado enquanto a mãe poupa naquilo que compra para si, significa sim criar os nossos filhos com amor, claro, mas principalmente fortalecer a sua personalidade com força e carácter na diversidade e na vida respeitando o outro e sabendo que não existe perfeição nem o ideal, até porque hoje em dia a sociedade é uma sociedade arco-íris!

A minha filha tem um pai que ama mesmo ao longe e que eu incentivo a respeitar e a amar, mesmo quando apetece nunca falo mal do mesmo à minha filha nem a ninguém porque não consigo conceber magoa-la para atingir uma adulto até porque mesmo apetecendo por tantos motivos, deu-me a melhor prenda que alguém me poderia ter dado, Ela!

Já agora que nomes dariam às famílias mono-parentais? Famílias independentes? Sugestões?



Sónia Pereira de Figueiredo

Sónia is the founder and writer of Amniotico- Parenting, Travel and Tales. She began this blog in 2005 with two posts about parenting, the year she had daughter Francisca. Then life happened. Now since 2014 with a whole new focus on Parenting and Travel. Sonia is also an international Human Rights and Elections expert and as such has worked with the United Nations and European Union in many parts of the globe, including conflict and war torn countries while being a single mom!

No comments:

Post a Comment